Comandante do Exército sob pressão para aceitar EUA em manobras na Amazônia

General Vilas-Boas estaria sob pressão para renunciar ao posto, por resistir ao modelo de operação militar que contará com 800 homens do exército dos Estados Unidos na tríplice fronteira amazônica, revela mídia internacional. Veja a matéria do 247.

Em novembro, uma tropa do Exército dos Estados Unidos vai participar de um exercício militar inédito, com duração de dez dias, na tríplice fronteira amazônica entre Brasil, Peru e Colômbia, do qual participarão também os dois últimos países. Em maio, o Ministério da Defesa informou que a iniciativa e o convite partiram do Brasil. Mas, segundo artigo do jornalista venezuelano Manuel José Montañez, publicado no site www.Aporrea.org, a operação foi uma imposição americana ao governo de Temer, através do embaixador Peter McKinsey, com vistas ao estudo do teatro de operações no sul da Venezuela.

O objetivo não seria uma invasão militar, mas o estímulo à ocupação de uma porção do território venezuelano por narcotraficantes, mercenários e “forças irregulares” que atuam na região da Cabeça do Cachorro, na tríplice fronteira Brasil-Colômbia-Perú, abrindo caminho para a criação de uma “zona ocupada”, no mesmo modelo que foi aplicado na Líbia, para desestabilizar o governo Kadafi, e depois na Síria.

Segundo o site venezuelano, participarão das manobras pelo menos 800 homens das Forças Especiais, denominadas Seal, do exército norte-americano. Recentemente, recorda o autor da matéria, depois do agravamento da crise venezuelana e das declarações de Donald Trump, dizendo não descartar a “solução militar” contra o governo de Nicolás Mauro, seu assessor de segurança Herbert McMaster esclareceu que os Estados Unidos não pensavam em ação militar direta, mas em apoiar qualquer iniciativa que partisse de nações do continente “para resgatar o povo venezuelano” do governo bolivariano.

A operação militar conjunta, denominada América Unida, pode coincidir com a realização de eleições para governador nas províncias da Venezuela, marcadas para o início de dezembro, momento em que a temperatura política pode subir ainda mais na Venezuela.

“Ainda que do ponto de vista estratégico estas manobras não representem o início de uma invasão militar, na realidade, por detrás delas esconde-se um objetivo mais perverso, geopoliticamente falando”.

Ou seja, permitir um “melhor estudo” do teatro de operações sul-venezuelano para, no momento oportuno, empurrar para nosso território a maior quantidade possível de forças irregulares que contribuiriam para aprofundar o caos e a crise delinquencial neste espaço geográfico, com a possibilidade de criação de uma espécie de território sem autoridade, no qual operaria um “exército difuso” contra o governo central da Venezuela.

“Este é o formato que foi utilizado por eles no Norte da África, contra a Libia, e depois contra a Síria, hoje mergulhados no caos”, diz um texto do artigo.

O articulista menciona ainda uma resistência do comandante do Exército brasileiro, general Vilas-Boas, ao modelo da operação, que por isso estaria enfrentando pressões para renunciar ao posto.

Fonte: Brasil 247

Por Trás do Blog
Leitura Recomendada
Procurar por Tags
Siga "PELO MUNDO"
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black