Engenheiros denunciam que Programa Nuclear Brasileiro corre risco por omissão do governo

Dívidas da Eletronuclear com o BNDES coloca em risco o programa nuclear brasileiro que começou nos anos 50 mas que só partir dos anos 70, o Brasil começou a construir e operar as usinas de Angra 1 e Angra 2, no litoral do Rio de Janeiro. O complexo é administrado pela estatal Eletrobrás Termonuclear (Eletronuclear) e gera menos de 2% da energia consumida em todo o Brasil. Além disso, o Brasil domina hoje o ciclo do combustível, que fornece material a ser usado nas usinas, através do enriquecimento de urânio no complexo de Resende, também no Rio de Janeiro. O Brasil tem a sexta maior reserva geológica de urânio do mundo (segundo dados de 2001). O programa não está paralisado, mas corre risco. O blog reproduz a seguir artigo do Clube de Engenheiros sobre a crise financiamento, dívidas, que colocam em risco o programa

Eletronuclear precisa pagar até a próxima sexta-feira (15) ao BNDES mais R$ 30 milhões de juros para amortizar sua dívida junto ao banco pelo empréstimo para a construção de Angra 3, prejudicada pelas interrupções das obras de construção civil que refletiram no atraso na montagem da usina. Ao fazer este pagamento, a empresa compromete completamente o seu fluxo de caixa, porque o que arrecada com as usinas Angra 1 e Angra 2 não dá para fazer frente a todos os seus compromissos e mais as despesas de manutenção dos equipamentos de Angra 3. E ainda salários, impostos, compra de combustível e contrapartidas com municípios. Só há combustível para mais alguns meses. Isso significa um caos total no sistema de geração de energia brasileiro. Sem a geração nuclear, com reservatórios baix os e com as novas hidrelétricas operando a fio d'água, poderá haver um novo apagão, já que se espera que a economia do país retome seu giro de crescimento.

Dívidas ameaçam da empresa ameaçam usinas de Angra 1 e 2

No histórico da dívida atual da Eletronuclear com a INB, há uma negociação para um fluxo de pagamentos de todas as faturas de 2017, para não comprometer a fabricação das recargas de Angra 1 e Angra 2. Com este acordo, a Eletronuclear pagaria à INB um total de R$ 654 milhões. No balanço de pagamento das faturas com a INB, não houve os pagamentos de outubro, novembro e dezembro. A 14ª Recarga de Angra 2 é superior a R$ 32 milhões; na 15ª Recarga de Angra 2, o total da fatura passa de R$ 38 milhões; a 24ª Recarga de Angra 1, o total passa de R$ 68 milhões.

Os elementos combustíveis da 14ª recarga serão entregues em dezembro de 2017. A 24ª recarga será entregue em outubro de 2018 e a 15ª em fevereiro de 2019. Isso quer dizer que o não pagamento dessas faturas vai impactar na fabricação da 24ª recarga de Angra 1 e até inviabilizar a fabricação da 15ª recarga de Angra 2. O atraso de qualquer uma das etapas de fabricação atrasará a entrega e compromete o retorno das usinas às operações.

Estranha a posição do governo federal. No caso da Petrobras e das empresas petroleiras, o “waiver” e a quebra do conteúdo local foram decididos rapidamente ao arrepio da vontade da grande maioria das indústrias especializadas do país. Para evitar um apagão e a quebra da maior companhia nuclear da América do Sul, o governo dá as costas, se omite. Não há uma voz oficial para dar a posição do governo. Mesmo sabedor do problema e das gravíssimas consequências, o BNDES trata o caso como se fosse um empréstimo à JBS ou a uma empresa privada qualquer. A questão estratégica nuclear do país parece não interessar resolver. É uma disputa para ver quem levará o título de “Coveiro do Programa Nuclear Brasileiro”.

Insensibilidade do governo e falta de bom senso

E não é por falta de avisos. A própria Eletronuclear comunicou formalmente o problema ao Diretor Geral da ONS, Luiz Eduardo Barata Ferreira, no dia 21 de novembro. O assunto era “A Grave Situação Econômico-Financeira da Eletronuclear”. Um memorando assinado pelo presidente da Companhia, Leonam Guimarães, informava que é de extrema relevância a gravidade da situação da Eletronuclear. O Presidente da Eletrobrás já assumiu temporariamente o pagamento dessa dívida. A INB não recebe pelo combustível que produz para fazer girar Angra 1 e Angra 2. O governo não decide pelo recomeço das obras de Angra 3. Felizmente, a Comissão Mista do Orçamento (CMO) ignorando a recomendação do TCU, que havia liberado todo planejamento para as obras de montagem , apresentará um Projeto de Lei para liberar cinco grandes obras. Entre elas, a usina de Angra 3. O que se espera agora é que este bom senso permaneça e seja aprovado. O projeto passará por avaliação do plenário da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização do Congresso Nacional.

A insensibilidade do governo é enorme. As cidades de Angra dos Reis, Rio Claro e Paraty, por não receberem as contrapartidas da Eletronuclear, estão comendo o pão que o diabo amassou. Há um vigoroso apoio da Abdan, da Aben, da Nuclep, da própria INB – que também ficaria inviabilizada – da CNEN, sindicatos de trabalhadores, toda cadeia de fornecedores da Eletronuclear e da área militar da Marinha do Brasil, responsável pelo desenvolvimento de muitas tecnologias nucleares nacionais. O congresso já se mobilizou. Só faltam as palavras do governo, através do Ministério das Minas e Energia e do próprio presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro.

Usina de Angra dos Reis 3 e a produção de energia das demais usinas ameaçadas em função da dívida da Eletronuclear

Fonte Jornal GGN

Do Clube de Engenheiros

Por Trás do Blog
Leitura Recomendada
Procurar por Tags
Siga "PELO MUNDO"
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black