Cabaré está em chamas! Brasil afunda feito um barco; mancha de óleo no meio da canela do Nordeste

Em 2013, o país assistiu ao início da marcha do fascismo rumo ao poder impulsionada pelos meios de comunicação, que fizeram do anti-lulismo um meio de vida até hoje, seis anos depois, com a esquerda e os democratas em deblaque; processo de desmonte do país e de direitos sociais conquistados ao longo de quase um século avançando, e o que se tem é uma oposição brotando apenas através de setores isolados da sociedade.

De Belo Horizonte vem a notícia de que professores, pais e mães de alunos começam a semana com o um ato pela liberdade de ensino nos colégios católicos Santo Agostinho e Loyola, duas instituições que se amedrontaram diante de pais de extrema-direita e anularam uma prova de Português que recorreu a um texto do comediante Gregório Duvivier. Nos demais estados, inclusive na Paraíba, ataques contínuos à Universidade e escolas seguem recorrentes e estimulados pela malta ignara e até pela mídia que virou - de certa forma – também um braço da intolerância.

Imagem: ilustração

No plano cultural, artistas, atores, intelectuais e jornalistas democratas assistem impassíveis aos cortes na cultura; relevam ataques de ódio do setor cultural do governo à atriz Fernanda Montenegro e a muitos outros artistas não famosos, mas que resistem ao avanço do fascismo.

Atriz Fernanda Montenegro, vítima de ataques de intolerância de setores culturais do regime; como outros artistas

A imobilidade do governo e das Forças Armadas diante o que aconteceu na Amazônia e, recentemente, o que acontece em alto mar, deixa claro que o desmonte do país é proposital. Estamos diante de um estado incapaz de conter queimadas criminosos e controlar qualquer acidente ecológico, criminoso ou não A resposta aos incêndios muito provavelmente criminosos, foi atribuir culpa a indígenas, ONGs, ou a qualquer setor que se atreva levantar-se em defesa do meio ambiente.

A mancha de óleo se espalha pela costa do Nordeste, sem que autoridades esclareçam sua origem e combate

O mesmo acontece agora com essa mancha constante e crescente de óleo na costa do Nordeste. O prejuízo para indústria do turismo se mostra milionário com cancelamento de viagens e hospedagens, mas o que predomina é o imobilismo e falta de esclarecimentos sobre o que ocorreu. A resposta recorrente é a mesma, apontando dedos para inimigos ideológicos, no caso a Venezuela – cuja costa é virada para o Pacífico – enquanto os toneis da Shell, empresa anglo-holandesa, são encontrados aos montes boiando nas praias.

Queimadas da Amazônia causaram isolamento do país

Entristece assistir a incapacidade de luta e reação dos trabalhadores e suas organizações sindicais diante do desemprego e do aumento da desigualdade social. Diz o IBGE que “mais de 100 milhões de brasileiros estão vivendo com R$ 13,00 por dia”. As reformas da Previdência e trabalhista, perversas e criminosas com eles mesmos, são votadas e aprovadas quase de forma consensual.

Paga fogo, Cabaré! E o País naufraga feito barco! Expressões que traduzem o momento atual da Nação

No plano político, assiste-se a consolidação no poder dos fascistas associados aos evangélicos de quase todos os segmentos; a possível perda de governabilidade da nova ordem emana de guerras intestinas na extrema direita – não da luta democrática, enquanto no Congresso, os partidos de centro, esquerda e até de direita, seguem aprovando a pauta que deu origem ao golpe, e que agora todos sabem obedecendo ao comando do Departamento de Estado dos EUA.

Generais que apoiam e estão no governo, sabedores da pusilanimidade histórica do Judiciário e de sua capacidade de adaptação e colaboração com qualquer ordem vigente, não precisam sequer despachar tanques, ou “um cabo e um soldado” para sitiar o STF, basta uma “tuidada” para que ministros compactuem e rasguem a Constituição, que eles fingem interpretar e fazer valer.

Jornalista Glenn Greenwald, do The Intercept

Para finalizar, como se roteiro de cinema fosse, assistimos apenas a ação desse advogado e jornalista norte-americano Glenn Greenwald, feito um Dom Quixote de La Mancha ou o Cangaceiro Corisco, seguir quase que solitariamente – ele começou só – o trabalho seu meritório de desmascaramento do conluio judicial que empurrou o país para o fascismo e para o retrocesso com a falsa narrativa de combate à corrupção.

Cangaceiro Corisco, que não aceitou anistia da Vargas e foi morto

Duas expressões populares traduzem bem este momento da Nação; Pega fogo, Cabaré! E o barco está afundando!, basta ver o óleo do navio na canela!

Opinião

Por Trás do Blog
Leitura Recomendada
Procurar por Tags
Siga "PELO MUNDO"
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black