“Milícias Gospel": novo normal será esplendor de 2020 ou "Quem foi que inventou o Brasil&q

As milícias armadas que hoje governam o país a partir de sua base – o Rio de janeiro – não são um fenômeno como a mídia nativa leva a crer; tiveram seu esboço lá pelos anos 1965/66 com o surgimento da Scuderie Detetive Le Cocq, que na década seguinte transformou-se em “Esquadrões da Morte” e, agora, no século XXI, segundo analistas da cena carioca, são conhecidas como “milícias” ou “Escritório do Crime”. Elas já são visíveis ou incipientes em outros estados, mas o inacreditável, é que o fervor evangélico fundamentalista assimilou tudo e esboçou suas “milícias Gospel”, que serão o novo normal do Brasil, em 2020. E quem faz arte, precisa responder com arte, e vamos responder com Quem Foi Que Inventou o Brasil - um esboço de teatro de revista.

Imagem: atriz Lúcia Macedo em Último Assalto de um Casamento, volta ao palco como Maria Madalena

Há alguns anos (mais de dez, acho), acompanhei um culto no mini-plenário da Assembleia Legislativa, com dezenas de jovens – a maioria mulheres – com uniformes camuflados, algo como “exército para Jesus” num paroxismo religioso, que jamais imaginei, embora já desconfiasse, que tudo aquilo era um esboço do que estava por vir e assistimos atualmente.

Assistia ali a gestação daquilo que no anos 80 aprendíamos em Artes Cênicas sobre hegemonia cultural, um conceito formulado por Antonio Gramsci. Entretanto, jamais podia-se adivinhar que a dominação ideológica da classe dominante encontrasse um canal de disseminação tão eficiente como as vertentes do fundamentalismo evangélico, hoje presentes em cada bairro, em cada esquina do Brasil.

Na juventude teatral repetíamos bordões e citações de Antonio Gramsci e, uma delas, reportava à concepção de mundo. Só agora, no séc. 21, constatamos o que ele explicava, sobre a estreita relação entre folclore e senso comum em que o “povo (o conjunto de classes subalternas) não pode – por definição – ter concepções elaboradas, sistemáticas e politicamente organizadas e centralizadas em seu desenvolvimento indo do mais grosseiro ao menos grosseiro”.

O que também explica a avassaladora onda bizarra que tomou conta da nossa música, dos programas de TV e rádio ( vivo nesse meio, pois já escrevi um quadro bizarro para o Programa Hora da Notícia, Rádio Arapuan, chamado a última de João Costa) por exemplo. Até me convenciam que havia ali um certo sucesso – o que não impediu de ser retirado do ar para minha alegria.

Atriz Angel Félix(E) e elenco de "Confissões de Adolescente", final de curso de teatro no NTU, em 2002

Peça "Intimidades Domésticas", texto de Marcos P. Pequeno, encenação estudantes da campus de Areia, 1998

Quem foi que Inventou o Brasil está em fase de ensaio no Teatro Lima Penante;

Remake de encenações já realizadas do NTU durante oficinas teatrais

Todo esse papo acima, é para dizer que estou ensaiando um exercício teatral, chamado “Quem Foi qu Inventou o Brasil”, a partir de uma música de Lamartine Babo, de 1932, uma coletânea de textos que inclui cenas de Macunaíma, de Mário de Andrade, 1928, falas e situações ditas e vividas pelos governantes atuais e “A Volta de Dom Sebastião e Maria Madalena Padroeira do Brasil”, que estou escrevendo.

Cena de "Viúvas", texto de Tarcísio Pereira e direção de João Costa. Atriz Camila em cena sobre o "mensalão"

Omar Brito: Teatro da Faculdade de Direito da UFPB, cena de "Uma Casa Brasileira - Com Certeza", de 1995

O elenco é uma junção de alunos do grupos “Temboquinhanao” e “Abratesesamo”, e um ramake de espetáculos que já encenei em oficinas de teatro no Núcleo de Teatro da UFPB, ao longo dos últimos 20 anos, agregando ativistas culturais e a juventude do teatro, que nos anos 1970 chamávamos de “teatro Amador”, mas com talento e espertise daqueles que se acham profissionais.

João Costa, radialista e encenador, conduz ensaios de Quem Foi que Inventou o Brasil para temporada em 2020

Da redação

Tags:

Por Trás do Blog
Leitura Recomendada
Procurar por Tags
Siga "PELO MUNDO"
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black