Angico: ao ser morto, Lampião tinha 8 seguranças e mais seis subgrupos, totalizando 42 cangaceiros

Ao ser morto em 28 de julho de 1938 na grota do Angico, Virgulino Ferreira da Silva, Lampião, estava acompanhado e no comando de 42 cangaceiros e sete mulheres, divididos em seis subgrupos; quase o número de composição de um pelotão militar que, tradicionalmente, é formado uma tropa entre 20 e 50 soldados. O bando estava assim distribuído:


O comandante Lampião tem sob suas ordens diretas, oito cangaceiros da sua guarda pessoal formada por Quinta-Feira, Elétrico, Laranjeiras, Candeeiro, Alecrim, Vila nova, Quixabeira e Chá Preto, além do recém-incorporado ao bando José Ferreira, sobrinho legítimo de Lampião e com 17 anos.


Volantes e jornalistas chegam a Grota do Angico, 3 dias após massacre; corpo que aparece é de Maria Bonita


O primeiro subgrupo estava sob o comando de Luiz Pedro, formado pelos cangaceiros Moeda (irmão de Alecrim), Cobra Verde, Amoroso, Cruzeiro, Vinte-Cinco e Azulão.


Segundo subgrupo chefiado por Zé Sereno, integrado por Cajazeiras, Marinheiro, Pernambuco e Ponto Fino.


Balão estava na chefia do terceiro subgrupo formado pelos cangaceiros Bom Deveras, Mergulhão, Marcela e Besouro.

O quarto subgrupo era chefiado por Criança e composto por Santa Cruz, Colchete e Cuidado.


Juriti estava no comando do quinto subgrupo, integrado por Borboleta, (primo de Alecrim e de Moeda), Penedo e Mangueira.

O sexto subgrupo tinha na chefia o cangaceiro Diferente, comandando Xexéu, e Beija-Flor, além de Zabelê, Lavandeira, Pitombeira e Delicado (irmão do cangaceiro Cuidado e primo de Penedo); bandoleiros que costumavam andar sós.


A mulheres presentes em Angico eram: Maria de Déa, Sila, de Zé Sereno, irmã dos cangaceiros Marinheiro e Mergulhão e prima de Penedo; Dulce, companheira de Criança, e Dinda, mulher de Delicado. Esta é a relação publicada pelo jornal Gazeta de Alagoas, edição de 9/12/1938.


Corisco, Dadá e seu bando estiveram em Angico, apenas de passagem. O Diabo Loiro jamais gostara do lugar, segundo revelou Dadá anos depois.


- Corisco não gostava de se misturar nem gostava de aglomeração.


A tropa que atacou Angico, liderada pelo tenente João Bezerra, também tinha um número de militares quase idêntico ao de um pelotão. Combater cangaceiros exigia motivações e três delas estavam em alta naquele momento: Traição (Joca Bernardo, motivado por inveja) vingança e a possibilidade de se “apoderar do tesouro” que ‘Lampião carregava em seus bornais, além da recompensa anunciada, é claro.


Em pé (E) coronel Lucena, Aspirante Ferreira de Melo(D), sentados Tenente João Bezerra(E) e o coronel Theodoreto


O Diário Oficial do Estado de Alagoas, edição de 31/03/1939 publicou o seguinte boletim, anunciando o pagamento do prêmio aos volantes que estiveram em Angico.


Ilmo. Sr. Coronel Theodoreto Camargo do Nascimento, comandante da Polícia Militar do Estado de Alagoas;


Passo às mãos de Vossa Senhoria, por intermédio do auxiliar deste gabinete, Sr. José Ovídeo Braga, a importância de cinquenta contos de réis (50:000$000), referente ao prêmio instituído pelo Governo do Estado da Bahia à coluna que extinguiu o bando de Lampião.


Conforme determinação do interventor Landulpho Alves, deverá ser entregue ao capitão João Bezerra a quantia de vinte contos de réis, recomendando eu, que, do restante, seja entregue ao tenente Francisco Ferreira de Mello, a importância de dez contos de réis, distribuindo-se o saldo equivalentes entre os demais componentes da referida coluna. O documento ainda detalha o seguinte, pois foram pagos dois prêmios: o do governo da Bahia e o do estado de Alagoas:


Em consequência, esse prêmio, juntamente com o deste estado, foi distribuído ontem em ato solene, obedecendo o seguinte:

Capitão João Bezerra da Silva: Alagoas – cinco contos de réis; Bahia – vinte contos de réis.


Primeiro-tenente Francisco Ferreira de Mello: Alagoas – cinco contos de réis; Bahia – dez contos de réis.

Aspirante a oficial Aniceto Rodrigues dos Santos: Alagoas – dois contos e quinhentos mil réis; Bahia – quatrocentos mil réis. Os demais integrantes da tropa também receberam prêmios em dinheiro em menor valor e promoções na carreira.

Mas e o suposto tesouro do Lampião, com quem ficou?


Virgulino Ferreira, Lampião, em foto de 1926 no Juazeiro do Norte, após ser recebido pelo Padre Cícero Romão


No livro “Lampião – memórias de Um Soldado de Volante”, de João Gomes de Lira, Vol II tem o seguinte relato feito pelo sargento Davi Jurubeba, que esteve presente no reconhecimento das cabeças decapitadas dos cangaceiros e presenciara diálogo entre o tenente João bezerra e um soldado de nome não revelado.


“O sargento Davi Jurubeba disse que viu um soldado que havia participado da volante, chamar o tenente João Bezerra para fazerem o dividendo” do botim arrecado em Angico. O soldado exigia a sua parte, pois João Bezerra estava “com tapia”.


Chamado em particular por Jurubeba, o soldado relatou que ele mesmo havia se apoderado da bolsa de Maria Bonita, que guardava o dinheiro vivo de Lampião, mas que a bolsa fora confiscada por Bezerra, prometendo fazer a divisão depois.

Divisão de dinheiro esta que não foi feita. Esse mesmo soldado disse a Jurubeba que havia se apoderado de bolsa do cangaceiro Luiz Pedro, e que nela continha a importância de cinco contos de réis, o suficiente para ele comprar uma fazenda.


Fontes: “Apagando Lampião” – Vida e Morte do Reio do Cangaço, de Frederico Pernambucano de Melo.

“Lampião – Memórias de um Soldado de Volante, de João Gomes de Lira, Vol. 2.

Fotos . Grota do Angico após o massacre. Tribuna Hoje


Foto2. acervo da Sociedade do Cangaço de Aracaju.


Foto 3. Acervo do museu do Padre Cícero.(Melhorada por Rubens Antônio)


Por Trás do Blog
Leitura Recomendada
Procurar por Tags
Siga "PELO MUNDO"
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black