Antônio Rosa – o custo da lealdade a Lampião, o protagonismo, inveja e a traição

João Costa

O cangaceiro Antônio Rosa, segundo relatos orais e textos de pesquisadores abalizados, é considerado uma lenda entre todos os bandoleiros do início do século XX; pagou caro pelo fato de demonstrar gratidão infinita à família Ferreira que lhe deu um lar na infância; manter fidelidade canina a Lampião, ser destemido, extremamente capaz na arte da guerra e sua morte desperta atenção para o mais infame dos sentimentos: a traição.


Virgulino Ferreira(E) e Antônio Rosa(D) em 1922, numa das primeiras formações do bando


Antônio Rosa também atendia pelos nomes de Antônio Ventura, Antônio Mansinho e Antônio do Gelo, este, o último apelido pelo qual é mais conhecido na galeria dos cangaceiros mais famosos do Pajeú, embora suas origens não sejam pernambucanas.


Certa feita, não se sabe quando, uma família de retirantes procedente da Mata Grande, Alagoas, de passagem pela propriedade de José Ferreira, pediu e obteve abrigo, mas ao partir, deixou um garoto para que José Ferreira e Maria Sulema da Purificação dessem seguimento à sua criação e educação.


Assim, o garoto Antônio Rosa, branco, magricela, cresceu sob o abrigo da família Ferreira, ao lado dos irmãos Ferreira, Virgulino, Antônio e Livino.


Na adolescência, o garoto tomou coragem e arribou para Pedra de Delmiro(AL), onde arranjou emprego de operário na Fábrica Estrela, de fiação e tecelagem, atuando na produção de gelo, daí o seu mais famoso apelido: Antônio do Gelo.


No decorrer do ano da graça de 1916, Antônio do Gelo, toma conhecimento que a família Ferreira está mergulhada em disputas violentas com outras famílias proprietárias de terra na Serra Vermelha, os Nogueira e Saturnino.

Mais que ligeiro, Antônio Rosa larga o emprego, volta para junto da família Ferreira e não vacila em ingressar no cangaço com “seus parentes” por afinidades de criação, Virgulino, Antônio e Livino Ferreira que, àquela altura da vida no cangaço, estavam sob o comando de Antônio Matilde, tio “postiço” dos irmãos Ferreira.


Ao lado dos irmãos Ferreira vai à guerra com Zé Saturnino, segue os irmãos quando estes ingressam no bando de Sinhô Pereira, e aí começa o seu protagonismo como cangaceiro valentíssimo, intuitivo e competente na arte da guerra como conhecedor e manipulador de táticas guerreiras na caatinga, por ter se mostrado profundo conhecedor do bioma.


Sua trajetória de combates e razias o coloca ao lado dos irmãos Ferreira nos ataques a propriedades, incêndios e matança de gado de Zé Saturnino; também figura como cangaceiro muito capacitado nos entreveros entre o bando de Sinhô Pereira e as volantes pernambucanas.


Em 1922, por encomenda do major e coiteiro José Inácio do Barro, do Carto(CE), e sob o comando de Sinhô Pereira ataca o povoado de Jericó, na Paraíba, onde os bandoleiros saquearam as propriedades dos poderosos do lugar coronéis Valdevino Lobo, Adolfo Maia e Rochael Maia, assaltos que renderam uma fortuna em dinheiro vivo, moedas de ouro e joias.


Antônio Rosa também chegou junto aos irmãos Ferreira em ação de vingança quando estes emboscaram e mataram um certo Manoel Cipriano de Souza, o delator que apontou para a volante do tenente José Lucena onde morava o velho José Ferreira, pai de Lampião.


Também esteve sob as ordens de Lampião quando este assumiu o comando do grupo de Sinhô Pereira, quando deixou o cangaço, realizando, a pedido do próprio Sinhô Pereira, o famoso ataque a São José do Belmonte, para vingar uma surra aplicada por ordens do coronel Gonzaga em um certo Yoyô Maroto, pequeno proprietário de terra.


Antônio Rosa se agigantou ao lado de Lampião, quando este enfrentou e saiu em desvantagem nos combates com a volante paraibana chefiada por Clementino Quelé e as volantes nazarenas, lideradas pelo major Theóphanes Torres – combates que resultaram em ferimento grave em Lampião, tirando o “reio do cangaço” de combate por um bom tempo.


A morte de Antônio Rosa, ou do Gelo, lança luz sobre muitos mistérios em torno de Lampião e seus irmãos e tem três versões com base em relatos orais.


Lampião em Juazeiro do Norte, em 1926, supostamente não admitia o protagonismo de Antônio do Gelo


A primeira delas: que Antônio do Gelo foi morto num tiroteio com a volante nazarena, em Triunfo(PE).


Mas os pesquisadores atribuem mais crédito na segunda versão, que relata a morte de Antônio Rosa em decorrência de um ato vil de traição.


Tombou crivado de balas de rifle disparados por Livino Ferreira em conluio com os cangaceiros Enéias e Mourão, atendendo ordens de Virgulino.


Lampião, relatam, não suportava dentro do bando o protagonismo e a capacidade de liderança de Antônio do Rosa no planejamento e no desenrolar dos ataques.


Antônio Ferreira, irmão por parte de mãe de Virgulino Ferreira, Lampião


Uma terceira versão atribui a Antônio Ferreira (irmão por parte de mãe de Lampião) a tarefa de eliminar Antônio Rosa, também numa ação traiçoeira, motivada por inveja e também para atender ordens de Vigulino Ferreira, em junho de 1924, dois anos após Lampião assumir, definitivamente e agora sem sombra de contestação, o comando do bando deixado por Sinhô Pereira.

Fonte de consulta; Cangaceiros de Lampião de A à Z, autoria de Bismarck Martins de Oliveira, segunda Edição.

Lampião na Paraíba – Notas para a História, de Sérgio Augusto de Souza Dantas.

Por Trás do Blog
Leitura Recomendada
Procurar por Tags
Siga "PELO MUNDO"
  • Facebook Basic Black
  • Twitter Basic Black
  • Google+ Basic Black